Estamos diante de uma sociedade cada vez mais complexa e cheia de movimentos, refletindo comportamentos de consumo de forma abundante. Observar esses movimentos, aos quais podemos chamar de pesquisa de tendências, é essencial para todas as áreas do consumo. Fenômenos sociais, políticos e econômicos revelam padrões de comportamento que podem vir a se tornar uma grande tendência, impactando fortemente nossas vidas e a forma como consumimos.

Há diversas metodologias disponíveis para se fazer uma boa pesquisa resultando em bons materiais. Entretanto, é importante deixar claro que todo profissional de comunicação entenda, observe e interprete as tendências com o intuito de identificar para onde a nossa sociedade do consumo caminha e quais são suas necessidades latentes.

Uma tendência acontece espontaneamente em qualquer parte do mundo, tendo meios de
comunicação como sua ferramenta difusora. Redes sociais, livros, viagens, feiras e eventos nas mais diversas áreas profissionais e o cotidiano das pessoas indicam as novas aspirações do mundo e o seu poder de influência sobre as pessoas. É nesse momento que a pesquisa se faz necessária: para transformar os dados colhidos em insights criativos e, consequentemente, em estratégias de negócio para marcas e serviços a médio e longo prazo.

Citemos uma das grandes tendências econômicas que vem mudando a forma como as
pessoas lidam com o consumo: a chamada economia compartilhada. Essa tendência surgiu a partir da necessidade de descentralização da posse de bens para a ascensão da experiência de consumo baseada no compartilhamento. É o caso do BikePoa, plataforma de aluguel de bicicletas em parceria com o banco Itaú. Ações semelhantes também já acontecem em outras partes do mundo, como a do “EcoBici” na Cidade do México. É uma alternativa de locomoção ao ônibus e ao carro próprio, que possui apelo social, econômico e sustentável bastante forte.

 

(EcoBici – Ciudad de México) foto: Raquel Lovatto (BikePoa – Porto Alegre) foto: Anselmo Cunha/PMPA